ATIVIDADE BIOLÓGICA DAS TOXINAS DO BT, CRY 1A(b) E CRY 1F EM Spodoptera frugiperda (SMITH) (LEPIDOPTERA: NOCTUIDAE)

JOSÉ M. WAQUIL, FRANCYS M. F. VILELLA, BLAIR D. SIEGFRIED, JOHN E. FOSTER

Resumo


Atualmente, há duas diferentes toxinas do Bacillus thuringiensis (Bt) disponíveis em milho transgênico. Entretanto, há poucas informações sobre a toxicidade dessas proteínas puras Cry 1A(b) e Cry 1F para a lagarta-do-cartucho do milho (LCM), Spodoptera frugiperda (Smith), usando o método de tratamento superficial da dieta. Os bioensaios foram conduzidos, usando um gradiente de concentração para as duas toxinas. Cada tratamento foi infestado artificialmente com larvas da LCM recém-eclodidas e mantidas sob temperatura constante e no escuro. Dez dias após a infestação, o número de larvas sobreviventes e a inibição de crescimento baseado na biomassa foram avaliados. Os dados de mortalidade foram submetidos à análise de “Probit”. As CL50 estimadas para Cry1A(b) e Cry1F foram, respectivamente, 689,81 ng/cm2 e 36,46 ng/cm2. A CL50 foi suficiente para inibir o acúmulo de biomassa das larvas em 91,61% e 89,81% para Cry1Ab e Cry1F, respectivamente. As larvas que sobreviveram por dez dias nas dietas tratadas com o Cry 1A(b) foram transferidas para dieta não tratada e observadas até a emergência dos adultos. Das larvas sobreviventes, 62,8% recuperaram seu desenvolvimento, acumulando a biomassa de uma pupa normal. Portanto, a atividade biológica da toxina do Bt vai além da simples toxicidade, incluindo uma significativa inibição de alimentação. Esse fato tem implicações importantes para o desenvolvimento de estratégias para o manejo da resistência.


Palavras-chave


Insecta, biologia, manejo de pragas, toxicologia, resistência de plantas, Bacillus thuringiensis.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v3n02p%25p