CONTROLE QUÍMICO DE DOENÇAS FOLIARES EM MILHO

NICÉSIO FILADELFO JANSSEN DE ALMEIDA PINTO

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficiência de fungicidas no controle das doenças foliares do milho provocadas por Phaeosphaeria maydis, Exserohilum turcicum e Puccinia polysora. Os seguintes fungicidas ( g i.a. ha-1) foram aplicados nas cultivares BR 3123, BR 3101 e IAEN-I, com pulverizador costal, com início no estádio de polinização: tebuconazole (200), mancozeb (2400), tebuconazole + mancozeb (200 + 2400), sulfato de estreptomicina + oxitetraciclina (450 + 45), propiconazole (250), azoxystrobin (150), imibenconazole (150), triforine (285), prochloraz (450), carbendazim (350), chlorothalonil (1125). Parcelas sem fungicida constituíram a testemunha. O modelo experimental foi de blocos ao acaso, com 36 tratamentos em três repetições, sendo os fungicidas aleatorizados entre as parcelas e as cultivares dentro das parcelas. Foram realizadas três pulverizações, com intervalos de dez dias. A avaliação sintomatológica foi realizada no estádio de grão pastoso, usando-se escala de notas de 0 a 5 (0= ausência de lesões ou pústulas foliares e 5= lesões em 100% das folhas, com seca das plantas). Verificou-se que, para o controle da mancha de Phaeosphaeria maydis, foram eficientes os fungicidas mancozeb e azoxystrobin; para a queima de Exserohilum turcicum, foram eficientes o tebuconazole, o imibenconazole, o sulfato de estreptomicina + oxitetraciclina, o triforine e o prochloraz; para a ferrugem de Puccinia polysora, o fungicida azoxystrobin foi altamente eficiente, seguido por tebuconazole, tebuconazole + mancozeb e imibenconazole.

 

 


Palavras-chave


Zea mays, Exserohilum turcicum, Phaeosphaeria maydis, Puccinia polysora, fungicidas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v3n01p%25p