ADUBAÇÃO POTÁSSICA E SEU EFEITO RESIDUAL NO SISTEMA SOJA-MILHO SAFRINHA EM MATO GROSSO

ANDERSON LANGE, EDILSON CAVALLI, CASSIANO CAVALLI, ANTONIO CARLOS BUCHELT

Resumo


O Estado de Mato Grosso se destaca no cenário nacional no que diz respeito à produção agrícola, mesmo assim pesquisas sobre adubações específicas para a região ainda são incipientes. Assim, objetivou-se com esse trabalho avaliar o desempenho agronômico e os teores de nutrientes no solo e na planta, no sistema soja-milho safrinha, em função de doses de potássio aplicadas no milho safrinha. O estudo foi realizado na região Médio Norte do estado, com doses de potássio (0, 40, 80 e 120 kg ha-1 de K2O) na cultura do milho safrinha, sendo avaliado o efeito residual nas safras subsequentes (soja e milho safrinha). Foram avaliadas as alterações químicas no solo, as concentrações de nutrientes na folha, sua extração e exportação, bem como os parâmetros agronômicos nos três cultivos. A soja em solo com teor adequado de K foi pouca responsiva à adubação potássica, no sistema soja-milho safrinha, porque as reservas no solo e nos restos culturais do milho safrinha supriram suas necessidades. As doses de K afetaram a concentração de Mg nos tecidos foliares da soja e de N, K, Ca e Mg no milho, interferindo na taxa de extração e exportação de nutrientes no sistema soja-milho safrinha. O K apresenta movimentação no perfil, mesmo em solo argiloso sob baixa precipitação.


Palavras-chave


exportação, extração, adubação potássica, manejo da adubação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v18n2p192-205