ENFEZAMENTOS EM MILHO: EXPRESSÃO DE SINTOMAS FOLIARES,

ELIZABETH DE OLIVEIRA, CHARLES MARTINS DE OLIVEIRA, ISABEL REGINA PRAZERES DE SOUZA, PAULO CÉSAR MAGALHÃES, IVAN CRUZ

Resumo


Com o objetivo de verificar a multiplicação, expressão de sintomas foliares e efeito dos molicutes na produção de diferentes genótipos de milho, fitoplasma e Spiroplasma kunkelii foram inoculados, isolada ou simultaneamente, em cinco cultivares, mantidas em vasos até a produção. Plantas sadias de todas as cultivares foram utilizadas como controle. Em cada vaso, foram cultivadas duas plantas, sendo uma utilizada para a detecção dos molicutes na última folha completamente expandida, aos 30, 60 e 100 dias após a inoculação. A outra planta foi utilizada para detecção dos molicutes nas folhas inferiores, medianas e apicais, aos 100 dias após a inoculação. O percentual de redução causado pelos molicutes na altura e na produção de grãos foi determinado nas duas plantas, em relação às plantas sadias. A expressão de sintomas foliares e os resultados positivos obtidos na detecção dos molicutes foram mais evidentes aos 100 dias após a inoculação. O período de enchimento de grãos foi considerado a fase mais adequada para a detecção desses patógenos. Os molicutes foram detectados nas folhas inferiores, medianas e apicais, observando-se maior freqüência nas folhas apicais. Verificou-se predominância de infecção por espiroplasma e maior efeito detrimental desse patógeno no crescimento e produção das plantas em relação ao fitoplasma. Não foi detectado efeito sinergístico significativo dos dois molicutes sobre o crescimento e produção das plantas. Observou-se que o efeito prejudicial desses patógenos sobre o crescimento e produção das cultivares foi determinado pela freqüência de plantas infectadas.


Palavras-chave


fitoplasma;espiroplasma;multiplicação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n01p%25p