ÍNDICE DE COLHEITA GENÉTICO E AS POSSIBILIDADES DA GENÉTICA

FREDERICO OZANAN MACHADO DURÃES, PAULO CÉSAR MAGALHÃES, ANTÔNIO CARLOS DE OLIVEIRA

Resumo


O presente trabalho teve por objetivos apontar um caminho metodológico para avaliar cultivares de milho pelo índice de colheita genético (ICG) e discutir sobre o enfoque da utilização isolada do índice de colheita (IC) visando produtividade. Utilizaram-se dados experimentais primários e da literatura. Os resultados comprovam, de forma significativa, a interferência de fatores ambientais sobre a adaptação e o rendimento de grãos. O enfoque é diferenciado, porque procura entender os fatores que afetam o rendimento de grãos, buscando as causas (genéticas e ambientais) que resultam uma redução da capacidade máxima do genótipo em produzir grãos. A planta modelo é o milho e a análise dos dados apresentados sugere alternativas metodológicas para estimar o ICG, enfocando os rendimentos máximos e rendimentos sob condições adversas (estresses bióticos e abióticos, ou agricultura de baixos insumos). O procedimento poderá ser aplicado em programas de desenvolvimento de cultivares, de modo a contribuir no processo de seleção.


Palavras-chave


Índice de colheita;genótipo;efeito ambiental;matéria seca

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n01p%25p