INFLUÊNCIA DO ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS E DA DENSIDADE DE PLANTIO NO DESEMPENHO DE CULTIVARES DE MILHO

SÉRGIO GERALDO DE RESENDE, RENZO GARCIA VON PINHO, RAMON CORREA DE VASCONCELOS

Resumo


Entre as práticas e técnicas empregadas para a obtenção de maior produção de milho, a escolha da densidade ideal de semeadura e do melhor arranjamento de plantas na área estão entre as mais importantes. Este trabalho teve por objetivo verificar o comportamento de cultivares de milho submetidas a diferentes espaçamentos entre linhas e densidades de semeadura em relação à produção de grãos. Os experimentos foram conduzidos nas safras agrícolas de 2000/01 e 2001/02, em área experimental do Departamento de Agricultura (DAG) da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Em cada ano, foram instalados três experimentos, adotando-se os espaçamentos entre linhas de 45cm, 70cm e 90 cm. Para cada experimento conduzido, foram avaliadas três densidades de semeadura, 55 mil, 70 mil e 90 mil plantas/ha e dez cultivares de milho. Cada experimento foi conduzido sob o delineamento experimental de blocos casualizados em esquema fatorial 10 x 3, com três repetições, sendo as dez cultivares e as três densidades de semeadura. Os dados obtidos foram submetidos inicialmente à análise de variância individual. Posteriormente, foi realizada análise de variância conjunta, envolvendo os três experimentos em cada ano e outra considerando simultaneamente todos os experimentos. O comportamento médio das cultivares nas diferentes densidades e espaçamentos não é coincidente ao longo dos anos, dependendo das condições climáticas prevalecentes no ano agrícola. Todas as cultivares, com exceção da UFLA-2, que possui comportamento inferior às demais, apresentam produtividade de grãos semelhantes, independentemente do espaçamento, densidade e ano agrícola. O espaçamento entre plantas que proporciona maior produtividade de grãos depende do ano agrícola. A melhor densidade de plantas para obtenção de maiores produtividades de grãos depende das condições climáticas do ano agrícola, podendo, em alguns anos, não serem detectadas diferenças na produtividade de grãos em função da variação da densidade de 55 a 90 mil plantas/ha e em outros anos, constatar incremento na produção com o aumento na densidade de plantas.

 


Palavras-chave


Zea mays L, densidade de semeadura, cultivares, milho híbrido.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v2n03p%25p