TOLERÂNCIA À DESFOLHA DE GENÓTIPOS DE MILHO EM DIFERENTES ESTÁDIOS FENOLÓGICOS

LUIS SANGOI, JEFFERSON VIEIRA, DIEGO EDUARDO SCHENATTO, WILIAN GIORDANI, CRISTIAN MAJOLO BONIATTI, LEONARDO DALL'IGNA, CLOVIS ARRUDA SOUZA, EDUARDO JOSÉ ZANELLA

Resumo


A magnitude dos danos ocasionados pela redução de área foliar do milho depende do genótipo utilizado pelos produtores. O objetivo deste trabalho foi avaliar o impacto da desfolha em diferentes estádios fenológicos sobre o rendimento de grãos de genótipos de milho. O experimento foi conduzido em Lages, SC, nos anos agrícolas 2010/11 e 2011/12. Foram avaliados três genótipos: a variedade de polinização aberta (VPA) SCS 155 Catarina; o híbrido triplo (HT) P30B30; e o híbrido simples (HS) P30R50H. Cada cultivar foi submetida a cinco níveis de desfolha: testemunha (sem desfolha); e desfolha quando as plantas tinham oito (V8); 12 (V12); 16 (V16); e 20 (V20) folhas expandidas. O HS foi mais produtivo do que a VPA em todos os tratamentos, com exceção daquele desfolhado em V20. As desfolhas realizadas em V8 e V12 reduziram em até 9% o rendimento de grãos dos híbridos e em mais de 24% o rendimento de grãos da VPA. A desfolha realizada em V20 reduziu em mais de 70% o rendimento de grãos dos três genótipos. A VPA foi mais sensível do que os híbridos às desfolhas feitas em V8 e V12. Isto indica que a tolerância à desfolha do milho depende da cultivar e que a maior variabilidade genética da VPA não aumenta a tolerância ao estresse ocasionado pela desfolha.

Palavras-chave


área foliar;fenologia;rendimento de grãos

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v13n3p300-311