DESENVOLVIMENTO DO MILHO SOBRE DIFERENTES MANEJOS DE PALHADA, SULCADORES E VELOCIDADES DE SEMEADURA

EMERSON TROGELLO, ALCIR JOSÉ MODOLO, RIVANILDO DALLACORT, MURILO MESQUITA BAESSO, MARINA SCARSI

Resumo


 

O sistema de plantio direto preconiza a manutenção de cobertura vegetal sobre o solo, melhorando condições físicas, químicas e biológicas. Apesar dos grandes benefícios obtidos a partir da presença de cobertura, esta pode prejudicar a qualidade de semeadura e o desenvolvimento de diversas culturas, sendo necessário, por vezes, realizar o seu manejo. O objetivo deste trabalho foi avaliar o desenvolvimento inicial da cultura do milho sob diferentes métodos de manejo de palha, mecanismos sulcadores e velocidades de semeadura. O experimento foi conduzido na região Sudoeste do estado do Paraná, utilizando-se o delineamento em blocos ao acaso, sob esquema de parcelas sub-subdivididas, com quatro repetições, totalizando 64 unidades experimentais. As parcelas constituíram diferentes manejos de palha, as subparcelas os diferentes mecanismos sulcadores e as sub-subparcelas as diferentes velocidades de semeadura. Avaliaram-se o número médio de dias para a emergência, a altura de plantas aos 35 dias após semeadura, o estande inicial da cultura e a porcentagem de cobertura da cultura aos 22 dias pós-semeadura. O manejo de aveia triturada apresentou melhores condições ao desenvolvimento inicial da cultura. Os diferentes sulcadores não influenciaram os parâmetros avaliados. A velocidade de semeadura influenciou significativamente apenas a altura de plantas aos 35 dias após semeadura.


Palavras-chave


Zea mays; semeadura direta; qualidade de semeadura; cobertura vegetal.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v13n2p142-153