FONTES E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO MILHO SAFRINHA

RONEY MENDES GOTT, DIEGO SICHOCKI, LEONARDO ANGELO AQUINO, FELIPE OLIVEIRA XAVIER, LUÍS PAULO DORNELAS SANTOS, ROSIANE FILOMENA BATISTA ALMEIDA DE AQUINO

Resumo


 

Objetivou-se, com o trabalho, avaliar no sistema de cultivo de safrinha o efeito de diferentes fontes e épocas de adubação nitrogenada no teor foliar de N, na produtividade e em componentes de produção da cultura do milho. O experimento foi conduzido em condições de campo, em Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico, no período de fevereiro a agosto de 2012. Os fatores em estudo consistiram de quatro épocas de aplicação do N (nos estádios fenológicos V2, V4, V6 e V8), associadas a duas fontes de nitrogênio em cobertura (nitrato de amônio e ureia), mais um tratamento adicional sem aplicação de N em cobertura. Determinaram-se a quantidade de fileiras de grãos por espiga, grãos por fileira, prolificidade, massa de mil grãos, produtividade e teor de N foliar. As fontes de N não afetaram os componentes de produção, exceto a massa de mil grãos e a produtividade, que foi maior com a aplicação do nitrato de amônio. Em relação à época de aplicação, os melhores resultados para produtividade foram obtidos quando foi realizada adubação em V2, V4 e V8, independentemente da fonte de N. O maior teor foliar de N foi observado com a aplicação de nitrato de amônio em V6. A utilização do nitrato de amônio, em detrimento à ureia, possibilitou um incremento médio de 6,9% na produtividade de milho safrinha em sistema de cultivo safrinha.


Palavras-chave


Zea mays L.; nitrato de amônio; estádios fenológicos; ureia

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v13n1p24-34