MORFOLOGIA E PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA

VALDECIR BATISTA ALVES, GESSÍ CECCON, LEONARDO FERNANDES LEITE

Resumo


 

O trabalho foi realizado com o objetivo de avaliar a morfologia de híbridos de milho cultivados no sistema solteiro e consorciado com Brachiaria ruziziensis. O experimento foi realizado em Dourados, MS. A semeadura foi realizada em 09 de março de 2011, em área de plantio direto. O delineamento experimental foi em blocos casualizados, em esquema fatorial 3x3, sendo três híbridos de milho (AG 9010, BRS 1010 e BRS 3035) e três modalidades de cultivo (milho solteiro nos espaçamentos de 0,45 e 0,90 m e consorciado a 0,90 m), em cinco repetições. No estádio R4, foram coletadas cinco plantas para avaliações morfofisiológicas e, na maturidade fisiológica, avaliou-se a produtividade de grãos. Existe interação entre híbridos e sistemas de cultivo, mas de maneira geral a massa de grãos por espiga foi maior no espaçamento reduzido, porém o BRS 3035 não diferiu do cultivo consorciado e o AG 9010 do cultivo solteiro a 0,90 m. A produtividade de grãos foi maior no milho solteiro em espaçamento reduzido, intermediário no sistema consorciado e menor no cultivo solteiro em espaçamento 0,90 m. Em consórcio com B. ruziziensis, os híbridos de ciclo superprecoce tendem a reduzir o crescimento das folhas, em detrimento do rendimento de grãos, o que não é observado nos híbridos de ciclo precoce.


Palavras-chave


Brachiaria ruziziensis; população de plantas; produtividade de grãos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v12n2p152-163