VARIABILIDADE NA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE PLANTAS NA LINHA E RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO

LUIS SANGOI, AMAURI SCHMITT, JEFFERSON VIEIRA, GILMAR JOSE PICOLI JR., CLÓVIS ARRUDA DE SOUZA, RICARDO TREZZI CASA, DIEGO EDUARDO SCHENATTO, WILLIAN GIORDANI, CRISTIAN MAJOLO BONIATTI, GUSTAVO CARDOSO MACHADO, DELSON HORN

Resumo


 

A uniformidade na distribuição das plantas nos sulcos de cultivo é importante para alcançar altos tetos produtivos. Este trabalho foi conduzido objetivando avaliar os efeitos da variabilidade na distribuição espacial de plantas na linha de semeadura sobre o rendimento de grãos de milho. O ensaio foi conduzido em Lages, SC, em 2009/2010 e 2010/2011. Avaliaram-se dois espaçamentos entrelinhas (40 e 80 cm) e cinco níveis de variabilidade na distribuição espacial de plantas na linha, equivalentes a 0, 25, 50, 75 e 100% do Coeficiente de Variação (C.V.), mantendo-se constante a densidade de plantas. O tratamento 0% de C.V. equivaleu à distribuição uniforme de plantas na linha. Em 2009/2010, o rendimento de grãos oscilou entre 11.500 e 12.900 kg ha-1 e decresceu 83 kg ha-1 para cada 10% de incremento no C.V., na média dos dois espaçamentos entrelinhas. Em 2010/2011, o rendimento de grãos variou de 15.000 a 16.600 kg ha-1 e reduziu 64 kg ha-1 para cada aumento de 10% do C.V, quando o milho foi cultivado no espaçamento entrelinhas de 40 cm. Nos dois anos agrícolas, os decréscimos no rendimento de grãos com o aumento na irregularidade da distribuição espacial de plantas na linha foram ocasionados pela redução do número de grãos produzidos por metro quadrado.


Palavras-chave


Zea mays;arranjo de plantas;qualidade de estande

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v11n3p268-277