TEOR DE ÁGUA NA COLHEITA E TEMPERATURA DE SECAGEM NA QUALIDADE DE SEMENTES DE SORGO, DURANTE O ARMAZENAMENTO

TANISMARE TATIANA ALMEIDA SILVA, JOÃO ALMIR OLIVEIRA, MARIA LAENE MOREIRA DE CARVALHO, ANTONIO RODRIGUES VIEIRA, RICARDO RESENDE COSTA, LUCIANA APARECIDA DE SOUZA ABREU

Resumo


A colheita é um procedimento que deve acontecer o mais rápido possível, assim que seja atingida a maturidade fisiológica da semente. Em sorgo, essa maturidade pode ocorrer com o conteúdo de água em torno de 25 a 35%. No entanto, sementes com alto teor de água podem sofrer danos no momento da secagem, necessitando, portanto, da adoção de métodos de secagem que garantam a qualidade das sementes durante o armazenamento. Dessa maneira objetivou-se avaliar a qualidade fisiológica das sementes de sorgo, BR 310, colhidas com diferentes teores de água (19 e 27%) e submetidas à secagem sob três temperaturas (35, 45 e 35/45 °C), na temperatura alternada, a secagem iniciou-se com 35 °C até as sementes atingirem 15% e em seguida elevou-se a temperatura para 45 °C. Posteriormente foram armazenadas em ambiente convencional e câmara fria e seca durante nove meses. A qualidade das sementes foi determinada pelos testes de grau de umidade, germinação e emergência de plântulas, índice de velocidade de emergência (IVE), teste de frio, tetrazólio, condutividade elétrica e análise de isoenzimas. A germinabilidade das sementes de sorgo aumentou com o armazenamento quando elas foram secadas a 35/45 °C. Para as sementes colhidas com 19% de umidade a secagem alternada manteve sua qualidade. Houve redução no percentual de sementes dormentes, aos três meses, quando armazenadas em câmara fria e seca independente do teor de água inicial.


Palavras-chave


Sorghum bicolor, colheita, armazenamento

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v10n1p66-81