PRODUTIVIDADE ECONÔMICA E COMPONENTES DA PRODUÇÃO DE ESPIGAS VERDES DE MILHO EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO NITROGENADA

FRANCISCO MOREL FREIRE, MARIA CELUTA MACHADO VIANA, MARIA HELENA TABIM MASCARENHAS, MARINALVA WOODS PEDROSA, ANTÔNIO MARCOS COELHO, CAMILO DE LELIS TEIXEIRA DE ANDRADE

Resumo


Foi avaliado, durante dois anos, o efeito de doses de nitrogênio (N) na produtividade de espigas verdes de milho e em componentes da sua produção. Cinco doses de N (0, 60, 120, 180 e 240 kg ha-1) aplicadas em cobertura foram testadas num delineamento experimental de blocos casualizados, com quatro repetições. Foram avaliadas a produção e o número de espigas comerciais com palha por hectare, peso das espigas com e sem palha, comprimento e diâmetro de espigas sem palha e relação espiga com palha/palha. Aumentos na produtividade de espigas comerciais com palha com a aplicação de N foram encontrados, sendo estimadas as máximas produtividades de 13,52 t ha-1 com a dose de 157 kg ha-1 de N (primeiro ano) e de 14,86 t ha-1 com a dose de 177 kg ha-1 de N (segundo ano). Os aumentos na produtividade de espigas não foram devido aos aumentos do número de espigas por área e do comprimento destas, que não foram afetados pela adubação nitrogenada. Diferentemente da relação espiga/palha, o peso e o diâmetro das espigas foram influenciados pela elevação das doses de N. Foi proposta uma tabela de recomendação de adubação nitrogenada nos moldes de preços preestabelecidos de N e de espigas.


Palavras-chave


Zea mays L., doses de nitrogênio, recomendação de adubação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v9n3p213-222