MODELO DE CRESCIMENTO LOGÍSTICO E EXPONENCIAL PARA O MILHO BR 106, EM TRÊS ÉPOCAS DE PLANTIO

GUILHERME BASTOS LYRA, JOSÉ LEONALDO DE SOUZA, GUSTAVO BASTOS LYRA, IEDO TEODORO, GILSON MOURA FILHO

Resumo


Determinações de variáveis de crescimento, tais como, índice de área foliar e matéria seca da parte aérea, requerem métodos destrutivos, com a remoção da planta. O ajuste de modelos de crescimento permite avaliar a resposta das culturas ao ambiente e às interações com práticas culturais e estimar variáveis de crescimento. Objetivou-se avaliar o ajuste do modelo logístico à altura de planta e matéria seca (foliar, caulinar, espigas e total) e do modelo exponencial ao índice de área foliar, para a variedade de milho BR 106, em épocas de plantio distintas, em função das variáveis independentes graus-dias acumulados ou dias após a emergência. Foram conduzidos três experimentos, nos anos de 2000, 2001 e 2002, em Rio Largo - AL. No primeiro e no segundo experimentos, não foi utilizada irrigação, implementada apenas no ano de 2002. As análises de ajuste dos modelos exponencial e logístico mostraram conformações significativas, independente da variável graus-dias ou dias após a emergência, com coeficiente de regressão superior a 0,86 e coeficiente de concordância de Willmontt maior que 0,93, o que indica a viabilidade de utilização desses modelos.


Palavras-chave


Zea mays L., índice de área foliar, modelo logístico e matéria seca.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v7n03p%25p