EFEITO DE DOSES DE CLORETO DE POTÁSSIO SOBRE A GERMINAÇÃO E O CRESCIMENTO INICIAL DO MILHO, EM SOLOS COM TEXTURAS CONTRASTANTES

LUIS SANGOI, PAULO ROBERTO ERNANI, PAULA BIANCHET, VITOR PAULO VARGAS, GILMAR JOSÉ PICOLI

Resumo


A aplicação de altas doses de fertilizantes potássicos na semeadura pode aumentar a concentração eletrolítica da solução do solo, dificultando o desenvolvimento das raízes. Este trabalho foi conduzido objetivando avaliar o efeito de doses crescentes de KCl na semeadura sobre a germinação e o crescimento inicial do milho. O experimento foi conduzido no laboratório da Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, localizado na cidade de Lages, SC. Os tratamentos consistiram de seis doses de KCl, equivalentes a 0, 20, 40, 80, 120 e 160 kg/ha de K2O, aplicadas a cinco solos com teores contrastantes de argila. Avaliaram-se a percentagem de germinação, a matéria seca da parte aérea (MSPA), da raiz (MSR) e a condutividade elétrica do solo. Houve redução na percentagem de germinação na maior dose de KCl em três dos cinco solos estudados, sendo o efeito negativo mais intenso no solo com menor teor de argila. A MSPA e a MSR reduziram-se com a aplicação da dose máxima de KCl, para todos os solos. A condutividade elétrica aumentou com o acréscimo na dose de KCl, independentemente da textura do solo. A aplicação de altas doses de KCl na semeadura reduz a germinação e o crescimento inicial do milho, principalmente em solos arenosos, com baixo poder tampão.


Palavras-chave


Zea mays, fertilizantes potássicos, salinidade, emergência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v8n02p%25p