QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO-DOCE SUBMETIDAS À DEBULHA, COM DIFERENTES GRAUS DE UMIDADE

EDUARDO FONTES ARAÚJO, JOÃO CARLOS CARDOSO GALVÃO, GLAUCO VIEIRA MIRANDA, ROBERTO FONTES ARAÚJO

Resumo


Sementes de milho-doce, cultivar BR 400 (Superdoce), apresentando umidade de 17,4, 15,1, 13,4, 11,7 e 9,1% (base úmida), foram debulhadas manualmente e em debulhadora com velocidade do cilindro debulhador de, aproximadamente, 250 rpm. As sementes recolhidas na bica superior da mesa de gravidade foram avaliadas quanto à germinação, ao vigor e ao grau de umidade, no início e aos 12 meses de armazenamento, em câmara fria e em condição considerada como ambiente. Concluiu-se que a melhor qualidade das sementes foi obtida quando debulhadas com aproximadamente 12% de umidade; a qualidade das sementes foi inferior quando debulhadas nos extremos de umidade, sendo mais baixas nas taxas de umidades superiores do que nas inferiores; houve efeito prejudicial latente da debulha mecânica na germinação das sementes após armazenamento em condição ambiente, sendo que o efeito deletério no vigor foi imediato; a operação de debulha deve ser realizada cuidadosamente em relação ao milho comum, devido à grande suscetibilidade das sementes ao dano mecânico.

 


Palavras-chave


Zea mays, armazenamento, germinação, vigor, dano mecânico.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n02p%25p