MARCHA DE ABSORÇÃO DE MACRONUTRIENTES E ACÚMULO DE MATÉRIA SECA EM MILHO

RENZO GARCIA VON PINHO, IRAN DIAS BORGES, JOSÉ LUIZ DE ANDRADE REZENDE PEREIRA, MATHEUS COSTA DOS REIS

Resumo


Este trabalho teve como objetivo determinar a marcha de absorção de macronutrientes e o acúmulo de matéria seca (MS) na parte aérea de plantas de milho, em função dos estádios fenológicos da cultura, utilizando-se um híbrido com alto potencial de produtividade de grãos (P 30F33) e outro com alto potencial de produtividade de MS (GNZ 2004). Foi utilizado o delineamento de blocos ao acaso, com quatro repetições, em esquema de parcelas subdivididas, sendo os dois híbridos dispostos nas parcelas principais e, nas subparcelas, as épocas de coleta das plantas, considerando os estádios fenológicos da cultura. As cultivares de milho acumulam MS e os seguintes nutrientes, em ordem decrescente: nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre, zinco e cobre até próximo à maturidade fisiológica, quando são obtidos os acúmulos máximos. Os nutrientes são acumulados na parte aérea do milho, em ordem decrescente: N, K, P, Ca, Mg e S. As quantidades totais de nutrientes, em quilogramas, necessárias para produzir uma tonelada de grãos de milho foram: 22,3 e 27,7 kg de N; 5,3 e 5,8 kg de P; 21,3 e 23,2 kg de K; 3,6 e 3,9 kg de Ca; 2,4 e 3,5 kg de Mg; 1,3 e 1,9 kg de S, respectivamente, para os híbridos P 30F33 e GNZ 2004. O máximo acúmulo de MS das folhas e das palhas de milho foi obtido no estádio fenológico 6, e no colmo, sabugos e grãos, ocorreu nos estádios 9 e 10 de desenvolvimento da cultura.


Palavras-chave


Zea mays, acúmulo de nutrientes, milho híbrido, adubação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v8n02p%25p