UNIFORMIDADE NO DESENVOLVIMENTO E RESPOSTA DE CULTIVARES DE MILHO AO INCREMENTO NA POPULAÇÃO DE PLANTAS

LUÍS SANGOI, CLAITSON GUSTAVO ZANIN, PAULO REGIS FERREIRA DA SILVA, ALEXANDRE SALDANHA, JEFFERSON VIEIRA, ANDERSON JOSÉ PLETSCH

Resumo


Cultivares de milho com respostas contrastantes ao incremento na densidade de plantas diferem quanto ao seu padrão de desenvolvimento. Este trabalho foi conduzido objetivando avaliar se as uniformidades morfológicas e fenológicas das plantas são importantes para aumentar a tolerância do milho ao adensamento. O experimento foi conduzido em Lages, SC, nos anos agrícolas de 2005/2006 e 2006/2007. Foram avaliadas uma variedade de polinização aberta (VPA), um híbrido duplo (HD) e um híbrido simples (HS). As cultivares foram testadas nas densidades de 25.000, 50.000, 75.000, 100.000 e 125.000pl/ha. Avaliaram-se os coeficientes de variação da área foliar e do desenvolvimento fenológico, durante oito estádios de desenvolvimento da cultura, e o rendimento de grãos. O HS apresentou menor coeficiente de variação do que as demais cultivares, para área foliar e estádio fenológico de desenvolvimento, antes da floração e durante o espigamento. O incremento na densidade de 25.000 para 125.000pl/ha aumentou os coeficientes de variação da área foliar e do estádio fenológico durante o espigamento das cultivares. O rendimento de grãos do HS foi maior e mais responsivo ao incremento na densidade. As menores variabilidades morfológicas e fenológicas entre plantas contribuíram para aumentar a tolerância do HS ao adensamento.


Palavras-chave


Zea mays, morfologia, fenologia, rendimento de grãos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v8n01p%25p