QUALIDADE DE MILHO VERDE CULTIVADO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO ORGÂNICO E CONVENCIONAL

LUCINÉIA DE PINHO, MARIA CRISTINA DIAS PAES, ANNA CHRISTINA DE ALMEIDA, CÂNDIDO A. DA COSTA

Resumo


Avaliaram-se as características agronômicas e físico-químicas de milho verde cultivado em sistemas de produção orgânico e convencional. Utilizou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado, em esquema fatorial 4 x 2, sendo quatro cultivares (AG 1051, BR 106, SWB 551 e VIVI), nos sistemas orgânico e convencional, com três repetições. As características agronômicas analisadas foram peso das espigas com palhas (PP) e despalhadas (PD), peso dos grãos (PG), peso do sabugo (PS), peso da palha (P), comprimento da espiga com palha (CE), percentual relativo de grãos (PRG), percentual relativo de palha (PRP) e percentual relativo de sabugo (PRS). Foram, ainda, analisados o teor de umidade e as características físico-químicas (pH, acidez titulável e sólidos solúveis totais) dos grãos verdes. As espigas produzidas no sistema convencional apresentaram PP, PD e PG superiores aos das espigas produzidas em sistema orgânico, para a cultivar AG 1051. O mesmo comportamento foi observado para o CE da cultivar SWB 551 e o PG da cultivar BR 106. No sistema convencional, a cultivar AG 1051 destacou-se nas características agronômicas avaliadas. Os valores médios de pH, diferentemente da acidez, foram superiores no cultivo orgânico. A cultivar SWB 551 apresentou maior percentual de sólidos solúveis entre as cultivares. Portanto, o sistema de produção influencia as principais características de qualidade do milho verde.


Palavras-chave


Zea mays, qualidade, análises químicas, aspectos agronômicos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v7n03p%25p