TOLERÂNCIA DO SORGO FORRAGEIRO AO HERBICIDA PRIMESTRA SC

ELIANE REGINA ARCHANGELO, JOÃO BAPTISTA DA SILVA, ANTÔNIO ALBERTO DA SILVA, LINO ROBERTO FERREIRA, DÉCIO KARAM

Resumo


Com a finalidade de avaliar a tolerância da cultura do sorgo forrageiro, em três estádios de desenvolvimento, a diferentes doses de Primestra SC (mistura pronta contendo: 200g/l de atrazine + 300g/l de metolachlor), com ou sem adição de Assist (óleo mineral) à calda, foi conduzido um experimento, em condições de casa-de-vegetação, na Embrapa Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, MG. Utilizou-se o delineamento de blocos ao acaso, no esquema fatorial (4 x 2 x 3 + 3 ), com quatro repetições. Os tratamentos foram constituídos por quatro doses de Primestra SC (3, 6, 9 e 12l/ha), com e sem adição de Assist (1,5l/ha), aplicadas em plantas de sorgo forrageiro (AG 2002), em três estádios de desenvolvimento (duas, quatro e seis folhas), acrescentando uma testemunha para cada estádio de desenvolvimento. Foram realizadas avaliações visuais de toxicidade dos herbicidas sobre as plantas de sorgo forrageiro aos 7, 14, 21 e 28 dias após as aplicações (DAA). Aos 28 DAA de cada estádio de desenvolvimento, as plantas foram colhidas, avaliando-se a altura das plantas e a produção de biomassa seca da parte aérea e das raízes. Primestra SC, com adição de Assist, provocou maior toxicidade às plantas de sorgo, comparando-se à aplicação sem adição de Assist, principalmente quando utilizado nas maiores doses. Aplicações mais precoces de Primestra SC (plantas de sorgo com duas folhas) provocaram maior toxicidade à cultura, decrescendo com aplicações mais tardias (plantas com quatro e seis folhas). Verificou-se, todavia, tendência de recuperação do desenvolvimento das plantas em função do tempo, após a aplicação do herbicida, para todas as doses avaliadas, independente do estádio em que foi feita a aplicação.


Palavras-chave


Sorghum bicolor, toxicidade, seletividade, atrazine, metolachlor.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n02p%25p