MODIFICAÇÕES NA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E PADRÃO DE FERMENTAÇÃO EM SILAGENS DE SEIS HÍBRIDOS DE MILHO

ROBERTO CAMARGOS ANTUNES, RONALDO BRAGA REIS, LÚCIO CARLOS GONÇALVES, JOSÉ AVELINO SANTOS RODRIGUES, NORBERTO MARIO RODRIGUEZ, ANA LUIZA COSTA CRUZ BORGES, IRAN BORGES

Resumo


Empresas de melhoramento genético vegetal lançam vários híbridos de milho no mercado todos os anos. Grande parte desses híbridos é utilizada para a produção de silagem. Dessa forma, esse trabalho objetivou estudar as principais modificações da composição química e o padrão de fermentação das silagens produzidas por seis híbridos de milho (HD 9481, P 3041, C 435, HT 951005, HT 47C e AG 5011). As plantas inteiras do milho foram ensiladas no estádio de maturidade fisiológica (3/4 de “linha do leite”), em silos laboratoriais de PVC, com 10 cm de diâmetro. A forragem foi avaliada com 0 (zero), 1, 3, 5, 7, 14, 28 e 56 dias após a ensilagem. Foram analisados os teores de matéria seca (MS), de carboidratos solúveis (CS), de fibra detergente neutro (FDN), de proteína bruta (PB), de nitrogênio amoniacal e o pH. Os teores médios de MS nas silagens variaram de 34,51 a 42,90%. A maior parte dos CS foi consumida até o 5º dia da fermentação. Os teores de PB e de FDN permaneceram praticamente estáveis durante a ensilagem. Os valores de pH se estabilizaram a partir do 5º dia da fermentação, para a maioria dos híbridos, e foram sempre menores que 3,82 no 56º dia. Os teores de nitrogênio amoniacal, embora não tenham se estabilizado até o 56º dia da ensilagem, foram sempre menores que 10%. As silagens foram classificadas como de boa qualidade.


Palavras-chave


carboidratos solúveis, nitrogênio amoniacal, qualidade de silagens, silos laboratoriais.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v5n03p%25p