METODOLOGIA PARA ESTIMATIVA DA ÁREA FOLIAR DE GENÓTIPOS DE MILHO

PEDRO ABEL VIEIRA JUNIOR, DURVAL DOURADO NETO, MARCOS SILVEIRA BERNARDES ANTONIO, LUIZ FANCELLI, PAULO AUGUSTO MANFRON, THOMAS NEWTON MARTIN

Resumo


Este trabalho foi conduzido com os objetivos de determinar o perfil de plantas dos principais genótipos de milho utilizados no Brasil e avaliar uma metodologia para estimar as dimensões foliares e o índice de área foliar (IAF), a partir da folha de maior área. Instalou-se um experimento no município de Piracicaba, São Paulo, Brasil, composto por quarenta e quatro genótipos de milho, sendo três variedades de polinização aberta, oito híbridos duplos, oito híbridos triplos, dez híbridos simples e quinze linhagens. Foram avaliados os ângulos foliares individuais das plantas, o comprimento das folhas, suas larguras e as áreas foliares. As bases genéticas estudadas apresentaram performance distinta entre si para as variáveis avaliadas. As plantas de milho apresentam perfil heptagonal, regular ou irregular, sendo possível empregar, para os genótipos cultivados no Brasil, a metodologia proposta por Stewart & Dwyer (1999), para estimativa do comprimento e da área foliar de milho, considerando as medidas da folha de maior área e sua ordem.


Palavras-chave


índice de área foliar, arquitetura de planta, Zea mays L., modelo matemático.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v5n02p%25p