EFICIÊNCIA DE INSETICIDAS APLICADOS EM TRATAMENTO DE SEMENTES E EM PULVERIZAÇÃO, NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS DO MILHO

FERNANDO ALVES DE ALBUQUERQUE, LUCIANA MAESTRO BORGES, THAIS DE OLIVEIRA IACONO, NAYRA CRISTIANE DE SOUZA CRUBELATI, ANDRÉ DE CARVALHO SINGER

Resumo


A cultura do milho pode ser atacada por diversos insetos-praga em sua fase inicial de desenvolvimento, tais como Frankliniella williamsi, Dichelops spp., Dalbulus maidis e Spodoptera frugiperda, o que pode resultar em perdas significativas de produção. Com o objetivo de estudar o controle químico dessas pragas, avaliou-se a eficiência de tiametoxam (42g i.a./ha), aplicado via tratamento de sementes, tiametoxam (21,15; 28,20 e 35,25ml/ha) + lambda-cialotrina (15,90; 21,20 e 26,50g i.a./ha), metamidofós (360g i.a./ha) e lufenuron (15g i.a./ha), aplicados via foliar, e combinações desses tratamentos. Observou-se que apenas os tratamentos à base de tiametoxam (42g i.a./ha), aplicado nas sementes mais tiametoxam (21,15; 28,20 ou 35,25ml/ha) + lambda-cialotrina (15,90; 21,20 ou 26,50g i.a./ha), aplicados via foliar, apresentaram eficiência mínima de 80% no controle de todas as pragas avaliadas.


Palavras-chave


Frankliniella williamsi, Spodoptera frugiperda, Dichelops spp., Dalbulus maidis, Zea mays.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v5n01p%25p