AVALIAÇÃO DE FAMÍLIAS DE MEIOS-IRMÃOS DE MILHO EM DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS

PAULO ALENCAR DE ARAÚJO, VANDERLEI DA SILVA SANTOS, ODAIR BISON, JOÃO CÂNDIDO DE SOUZA

Resumo


Estudou-se o potencial genético da população de milho CMS39, em arranjos distintos de semeadura, em que foram avaliadas 196 famílias de meios-irmãos em diferentes espaçamentos entre linhas. Os experimentos foram conduzidos na área experimental do Departamento de Biologia da UFLA, em Lavras, MG, no ano agrícola de 2001/2002. Foram conduzidos dois experimentos distintos e contíguos, sendo que o delineamento utilizado em ambos os casos foi o látice simples 14 x 14. No primeiro experimento, a parcela foi composta por uma fileira de quatro metros de comprimento, com espaçamento de 50 centímetros entre linhas e 40 cm entre plantas. No segundo experimento, modificou-se o espaçamento entre linhas, de 50 para 90 cm, e entre plantas, de 40 para 22,2 cm, mantendo-se a mesma densidade, 50.000 plantas/ha. As características avaliadas foram peso de espigas despalhadas, altura de plantas, altura de espigas e prolificidade. A interação espaçamento-genótipo foi significativa, indicando que é mais eficiente conduzir programas de melhoramento de milho em diferentes espaçamentos entre linhas para essa população. O espaçamento de 50 cm entre linhas proporcionou melhor rendimento de peso de espigas e maior prolificidade. Os ganhos com a seleção para o peso das espigas foram similares nos dois espaçamentos avaliados. Sendo assim, é mais interessante a condução de um programa de melhoramento utilizando-se o espaçamento de 50 cm entre linhas, por proporcionar a obtenção de maiores médias para as características avaliadas.


Palavras-chave


Zea mays, seleção recorrente e melhoramento genético.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v4n03p%25p