OXIDAÇÃO PROTÉICA E PEROXIDAÇÃO LIPÍDICA EM PLANTAS DE DE SELEÇÃO DO MILHO ‘SARACURA’, SOB ENCHARCAMENTO CONTÍNUO

MARCUS JOSÉ CONCEIÇÃO LOPES, ISABEL REGINA PRAZERES DE SOUZA, PAULO CÉSAR MAGALHÃES, ELTO EUGÊNIO GOMES E GAMA, JOSÉ DONIZETI ALVES, MARCELO MURAD MAGALHÃES

Resumo


Este trabalho teve por objetivo estudar, sob encharcamento contínuo, mecanismos bioquímicos, como concentração de proteína total, oxidação protéica e peroxidação de lipídeos de membrana, em folha e em raiz de plântulas, nos estádios V3-V5, da variedade de milho BRS 4154 (Saracura) após o primeiro (C1), oitavo (C8) e décimo sexto (C16) ciclos de seleção sob encharcamento intermitente, tendo como testemunha a variedade BR 107. Sementes dos ciclos de seleção do Saracura, C1, C8 e C16 e da testemunha, BR 107, foram plantadas com o embrião voltado para cima, a uma profundidade aproximada de 1 cm da superfície do solo, em copos de plástico de 200 ml, perfurados na base e preenchidos com solo de várzea. Os tratamentos constituíram-se de diferentes períodos de encharcamento: 0 h (sem encharcamento) e 8, 24, 48, 72, 96, 120 e 144 h sob encharcamento contínuo, utilizando-se água destilada até a superfície do solo. Os resultados do teor e oxidação protéicos, da peroxidação lipídica radicular e foliar foram responsivos ao encharcamento e mostraram adaptações das plântulas de milho ao estresse prolongado, obtendo-se, de maneira geral, a mesma tendência em todos os genótipos.


Palavras-chave


estresse oxidativo, Zea mays L., variedade, plântula.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v4n03p%25p