CARACTERIZAÇÃO FENOTÍPICA DE LINHAGENS DE MILHO QUANTO AO RENDIMENTO E À EFICIÊNCIA FOTOSSINTÉTICA

FREDERICO O. M. DURÃES, PAULO CÉSAR MAGALHÃES, ELTO EUGENIO GOMES E GAMA, ANTÔNIO CARLOS DE OLIVEIRA

Resumo


Neste estudo, objetivou-se demonstrar, em linhagens de milho, o potencial de parâmetros de fluorescência da clorofila para caracterização fenotípica e auxílio na seleção de genótipos sob estresses de água e nitrogênio. Foram determinadas as performances de três linhagens de milho quanto ao conteúdo de clorofila, taxas médias de transporte de elétrons (ETR) e de assimilação de CO2 (A), durante o florescimento. ETR e A apresentaram forte correlação e discriminaram dois grupos de linhagens: a) linhagem G1; b) linhagens G2 e G3. A maior capacidade fotossintética da linhagem G1 foi explicada pela sua maior eficiência de carboxilação. Resposta similar ocorreu em produção de fitomassa total aérea e de grão. O nitrogênio foi um importante fator do rendimento, que pode ser monitorado pelo conteúdo de clorofila e de parâmetros fotoquímicos de fotossíntese. As taxas ETR e A se prestaram como importantes parâmetros para avaliação de genótipos contrastantes, cultivados em condições plenas e sob estresse de água.


Palavras-chave


Zea mays L., florescimento, fotossíntese, fluorescência da clorofila, estresse ambiental.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v4n03p%25p