QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MILHO COLHIDAS EM DIFERENTES ESTÁDIOS DE “LINHA DE LEITE”

MARIA APARECIDA VILELA DE RESENDE FARIA, RENZO GARCIA VON PINHO, ÉDILA VILELA DE RESENDE VON PINHO, RENATO MENDES GUIMARÃES, FABRÍCIO ELIAS DE OLIVEIRA FREITAS

Resumo


Para avaliar a qualidade fisiológica de sementes de híbridos de milho colhidas em diferentes estádios de “linha de leite”, após a secagem e armazenamento, foi realizado um trabalho, no laboratório de sementes da Universidade Federal de Lavras (UFLA), em parceria com a Monsanto do Brasil SA. Foram utilizadas sementes dos híbridos AG-9090, AG-9010, DKB-350 e C-747, produzidas no inverno de 2000, nos municípios de Iraí de Minas, MG, Campo Florido, MG, Miguelópolis, SP e Guaíra, SP. Em cada campo, foram demarcadas quatro faixas, onde foram colhidas 100 espigas por estádio de linha de leite (LL), que são: LL2, LL3, LL4 e LL5, contemplando, respectivamente, 25%, 50%, 75% e 100% de endosperma endurecido. As espigas foram transportadas até o laboratório de sementes da UFLA, onde foram amostradas, para determinação do teor de água das sementes e, em seguida, despalhadas e levadas aos secadores experimentais, onde foram secadas em temperatura inicial de 35 oC, até atingir 20% de teor de água, seguida de temperatura de 42oC até 12% de teor de água. Foram realizados testes de germinação, condutividade elétrica, teste de frio sem solo e envelhecimento acelerado, após secagem e após oito meses de armazenamento. Após secagem, foram observados valores acima de 95% nos testes de germinação e acima de 85% nos testes de vigor. Após oito meses de armazenamento, foram constatados menores valores de germinação e vigor para as sementes colhidas na LL-2, para todos os híbridos avaliados. Concluiu-se que é seguro colher sementes de milho a partir do estádio três de linha de leite (LL-3), quando as mesmas se encontram com 50% do endosperma sólido e com alta qualidade fisiológica.


Palavras-chave


Zea mays;sementes;maturidade fisiológica;linha de leite

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n01p%25p