INDUÇÃO DE TOLERÂNCIA À ALTA TEMPERATURA DE SECAGEM EM SEMENTES DE MILHO POR MEIO DE PRÉ-CONDICIONAMENTO À BAIXA TEMPERATURA

STTELA DELLYZETE VEIGA FRANCO DA ROSA, ÉDILA VILELA RESENDE VON PINHO, MARIA DAS GRAÇAS GUIMARÃES C. VIEIRA, RUBEN DELLY VEIGA

Resumo


Sementes de milho maduras, sob condição de secagem natural, perdem água lentamente e tornam-se mais tolerantes a temperaturas de secagem mais elevadas, em conseqüência da ocorrência de mudanças físicas, fisiológicas e bioquímicas. O objetivo do presente trabalho foi investigar os efeitos do pré-condicionamento de sementes de milho, por meio de pré-secagem sob temperatura de 35ºC, sobre a tolerância à secagem a 50ºC. Para tanto, sementes de milho de três cultivares, colhidas com teores de água de 42,3%, de 37,2% e de 34,2%, foram submetidas à pré-secagem a 35ºC (précondicionamento), por períodos de 0, 4, 8, 16, 24, 32, 40, 48 e 56 horas, antes da secagem conduzida a 50ºC até 12% de teor de água. Após os períodos de pré-condicionamento, embriões foram analisados quanto aos conteúdos de glicose, sacarose e estaquiose. Após a secagem a 50ºC, as sementes foram avaliadas por testes de germinação, de primeira contagem de germinação, de frio, de condutividade elétrica, de peso de matéria seca de plântula e de comprimento de plântula. Em uma das cultivares foi determinada a atividade da enzima α-amilase. As sementes recém colhidas são tolerantes a 35ºC e intolerantes a 50ºC, mas tornam-se tolerantes a essa temperatura após a pré-secagem a 35ºC (précondicionamento) até que atinjam teores de água entre 25,3 e 28,5%. As sementes intolerantes a 50ºC apresentam menores germinação, vigor e atividade enzimática. Coincidentemente com a aquisição de tolerância a 50ºC, ocorrem a diminuição de glicose e o aumento de rafinose; o conteúdo de sacarose parece não sofrer alteração durante a transição do estado de intolerância para o de tolerância.


Palavras-chave


secagem artificial, tolerância à dessecação, qualidade fisiológica, açúcares, Zea mays L.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v3n02p%25p