VARIABILIDADE GENÉTICA DE HÍBRIDOS TRIPLOS DE MILHO PARA

MARIA ELISA AYRES GUIDETTI ZAGATTO PATERNIANI, CHRISTINA DUDIENAS, EDUARDO SAWAZAKI, REGINALDO ROBERTO LÜDERS

Resumo


Avaliaram-se híbridos triplos experimentais do programa de melhoramento de milho do Instituto Agronômico de Campinas (IAC) quanto à resistência à ferrugem tropical causada por Physopella zeae, em condições naturais de infecção. Desenvolveram-se dois ensaios de top crosses (TC 1 e TC 2), provenientes de cruzamentos entre dois testadores (híbridos simples experimentais A e B), com linhagens do IAC e do CIMMYT (Centro Internacional de Mejoramiento de Maíz y Trigo). O delineamento estatístico utilizado foi o de blocos ao acaso com três repetições, avaliando-se em cada ensaio 30 híbridos triplos, os respectivos testadores e três testemunhas comerciais. Ambos os experimentos foram instalados em Guaíra, na região norte do Estado de São Paulo, sob intensa severidade da ferrugem tropical. A avaliação da severidade da doença foi feita 30 dias após o florescimento, considerando toda a área foliar afetada da planta adulta, através de escala de notas de 1 a 9, correspondentes, respectivamente, a 0% até mais de 75% de área foliar afetada. No TC 1, 30% dos híbridos triplos experimentais foram resistentes à ferrugem tropical (notas médias de 3,0 a 4,4) e 43% foram moderadamente resistentes (notas médias de 4,5 a 5,4). No TC 2, essa proporção foi invertida, ou seja, 43% dos híbridos foram resistentes e 33% moderadamente resistentes. A análise conjunta dos híbridos triplos com linhagens comuns não detectou diferença entre os testadores na discriminação das linhagens quanto à resistência à ferrugem tropical, indicando preponderância de efeitos aditivos na manifestação da resistência a P. zeae. Identificaram-se linhagens resistentes à doença que poderão ser utilizadas na formação de sintéticos com ampla resistência a P. zeae e em programas de seleção recorrente de milho visando à resistência à ferrugem tropical.


Palavras-chave


milho;Physopella zeae;top cross;linhagem;fontes de resistência

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18512/1980-6477/rbms.v1n01p%25p